SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

Mídia do Sarney abre fogo contra a Polícia Federal.

Mídia do Sarney abre fogo contra a Polícia Federal.



Inconformada com os furos que estão levando diarimente de parte da imprensa que teve acesso ao relatório da Polícia Federal, que investigou e constatou desvio bilionário na secretaria de Saúde do Estado, no período compreendido entre 2010 e 2013, a mídia sarneysista resolveu abrir fogo contra os delegados que apontaram o ex-secretário Ricardo Murad como chefe da organização criminosa que “meteu a mão” em R$ 1,2 bilhão destinado à saúde pública do Maranhão.

Chegam ao absurdo de cobrar explicações dos agentes federais sobre os procedimentos que levaram a instituição a investigar apenas as duas últimas gestão da ex-governadora Roseana Sarney, quando os próprios delegados encarregados da apuração dos fatos afirmaram em coletiva de imprensa que a PF passou se interessa pela secretaria de Saúde, após ser alertada pelo Banco Central sobre movimentação financeira estranha nas contas das empresas contratadas sem licitação por Ricardo Murad para tomar conta dos hospitais do Estado.

Acusam os delegados federais de aturem sob orientação política do governador Flávio Dino, mesmo sabendo trata-se de uma instituição séria que atua na defesa dos interesses do país, ajudando a retirar da vida pública políticos corruptos, tipo José Dirceu, Delcídio do Amaral, Ricardo Murad, entre tantos outros. Mas a mídia do Sarney, como sempre, tenta inverter os fatos na vã esperança de transformar bandido em mocinho, ainda que a população do Estado conheça bem o personagem em questão.

O que eles precisam admitir é que a disputa pela informação em primeira mão é legítima entre os veículos de comunicação, se alguns profissionais do ramo tiveram acessos aos documentos que apontam os responsáveis pelo roubo bilionário na SES é porque foram mais espertos, construíram fontes, o que é normal na atividade jornalística, vide o que tem feito a Rede Globo na operação Lava Jato, tornando público todos os depoimentos.

A bem da verdade, o esperneio da mídia sarneysista tem como única finalidade tentar desacreditar a investigação que descobriu o maior escândalo de corrupção da história do Maranhão e transformar Ricardo Murad e sua gangue em supostas vítimas de perseguição política, ou seja, usam velha e surrada táctica do ladrão que rouba e sai gritando pega ladrão

Lei da transparência

Municípios que não cumprem lei da transparência poderão deixar de receber recursos da União e do Estado
Será entregue no próximo dia 30 ao Pleno do Tribunal de Contas do Estado relatório sobre a situação dos 217 municípios maranhenses em relação ao cumprimento dos mecanismos legais de transparência. A verificação resultou de uma força-tarefa integradas pelo TCE, por meio do Ministério Público de Contas (MPC), pelo Ministério Público Estadual (MPE) e pela Controladoria Geral da União (CGU). O trabalho integra o conjunto de ações da Rede de Controle da Gestão Pública.

Composta por dois auditores do TCE, dois promotores de Justiça e três servidores da CGU, a força-tarefa teve sua criação motivada por avaliação prévia realizada pela CGU em relação ao cumprimento da Lei de Acesso à Informação (LAI), em dezoito cidades maranhenses. “Todas receberam nota zero, ou seja, não cumpriam a lei em suas exigências mínimas”, informa o auditor federal Wellinton Resende, da CGU.


Diante do resultado, foram realizadas reuniões no âmbito da Rede de Controle, onde se decidiu pela aplicação da Escala Brasil Transparente (EBT) em todos os municípios do estado. A EBT é uma metodologia de consulta prática aos sites, portais e sistemas de informações criada pela CGU para avaliar o grau de transparência ativa e passiva dos municípios.


Como resultado dos trabalhos, o Ministério Público sinalizou que firmará Termos de Ajustes de Conduta (TAC’s)  com o intuito de exigir dos municípios a criação dos portais da transparência, a regulamentação da Lei de Acesso à Informação e a disponibilização dos SIC’s e e-SIC’s. A  CGU, por sua vez,  planeja colocar os municípios menos transparentes em sua matriz de risco.


O procurador do MPC Jairo Cavalcanti Vieira lembra que, da parte do TCE já foram adotadas  medidas desdes 2010, início da vigência da lei, por meio de representações do Ministério Público de Contas que, em alguns casos resultaram em aplicações e multas e determinação de adequação à LAI. “Com a extensão da obrigatoriedade da lei a todos os municípios tornou-se inviável ao MPC monitorar todos eles, o que só seria possível por meio de um trabalho no âmbito da Rede de Controle, o que veio a ser realizado agora”, explica.


A ideia é que, diante da consistência do levantamento feito, passe a haver um controle social maior, já que as informações ficarão disponíveis para a população via internet nas páginas dos órgãos envolvidos no trabalho, e que cada um deles adote as medidas necessárias dentro de suas atribuições. Na esfera de controle do TCE, a partir de agora essa irregularidade será inserida no relatório de análise das prestações de contas anuais no tópico referente à Transparência Fiscal, permitindo a aplicação de punições no contexto das contas de cada gestor.
 

Além disso, os municípios que insistirem em descumprir a LAI poderão ser impedidos de celebrar convênios com a União e com o Estado, pois o TCE informará aos órgãos responsáveis nessas duas esferas sobre a situação de cada município frente aos cumprimento dos mecanismos de transparência. “A lei de transparência prevê que os órgãos que não a cumprem ficam impedidos de receber transferências voluntárias”, destaca o procurador.

POESIA DE LUTO – Nossa homenagem a Nauro Machado…



POESIA DE LUTO – Nossa homenagem a Nauro Machado…






 O poeta e escritor maranhense Nauro Machado faleceu, na madrugada deste sábado (28), no Hospital UDI, em São Luís, onde se encontrava internado desde a última terça-feira (24), após realizar uma cirurgia no intestino, deixando a poesia e a cultura de luto. Considerado o maior poeta do Maranhão da atualidade, ele estava com 80 anos e deixa uma obra literária insuperável que vai ficar eternizada na história da literatura maranhense e brasileira.
Filho de Torquato Rodrigues Machado e Maria de Lourdes Diniz Machado, ele foi casado com a também escritora Arlete Nogueira da Cruz. Poeta autodidata com vasto conhecimento em artes e filosofia, comparado por alguns críticos a Fernando Pessoa, era original por ser poeta universal entre seus contemporâneos mais imediatos, como Ferreira Gullar, Lago Burnett, José Chagas e Bandeira Tribuzi.
Se Gullar discute a própria forma poética, Nauro Machado questiona a própria essência e destinação do ser humano, sem deixar de cultivar uma linguagem poética e uma técnica de versos exemplares. Sua obra apresenta traços de reflexão existencial angustiada e violenta que encontra poucas comparações na lírica de língua portuguesa.
Exerceu diversos cargos em órgão públicos entre eles, Detran e Emater, e também na Secretaria de Cultura do Estado do Maranhão. Foi casado com a também escritora Arlete Nogueira da Cruz.
Poesia
Uma das marcas do poeta Nauro Machado era retratar o cotidiano maranhense com simplicidade e liberdade poética. Sempre viveu em São Luís, ausentando-se apenas por breves períodos, sobretudo para o Rio de Janeiro para publicar boa parte de suas obras. No entanto, grande parte de sua vida Nauro dedicou à sua grande paixão, a poesia.
Recebeu diversos prêmios, dentre eles Academia brasileira de letras e da União brasileira de Escritores; teve varias de suas obras traduzidas para o alemão, francês e inglês.
Em novembro de 2014 publicou um livro, com o título: “Esôfago Terminal”, cujas poesias remetem a dor e a superação da sua luta contra o câncer.
Em outubro de 2015 recebeu o título de “Doutor Honoris Causa”, concedido pelo Reitor da Universidade Federal do Maranhão,
Em novembro de 2015 lançou seu último livro em vida: “O baldio som de Deus”. Na ocasião revelou ter cinco livros prontos, ainda não publicados.
ALGUMAS POESIAS DE NAURO MACHADO:
CALENDÁRIO
Tomaste parte em nenhuma outra guerra.
Não perdeste pés ou mãos dentro desta.
Não abriste túmulo em nenhum lugar.
Nada quiseste além dos teus haveres.
Teu país de bois na aurora plantados,
levou-o o tempo na usura do ocaso.
Fizeste nada sábado, domingo,
segunda, terça, quarta, quinta e sexta.
Igual a todos, somaste semanas,
Unindo a noite ao dia e o dia às noites.
Escuta: o tempo passa! E o teu passou.
Passou o bonde, o colégio, a criança.
Já o adulto vai-se: está chegando ao fim
como um ronco doído em cosa podre,
como um enlatado para ninguém.
Made in Brazil. Tonel à água lançado
No porto noite. Minha família! Ó alma.
Masmorra Didática, 1979
FILA INDIANA
Um atrás do outro, atrás um do outro,
ano após ano, ano após outros,
minuto após minuto, século
após séculos, continuam
(a conduzir seus madeiros
na perícia dos próprios dramas).
um após do outro, atrás um do outro,
anos após ano, ano após outros,
minuto após minuto, século
após séculos, e de novo
um atrás do outro, atrás um do outro,
até a surdez final do pó.