A estranha decisão que absolveu Youssef, João Abreu e Roseana


Com a absolvição de Youssef, de João Abreu e Roseana, o grupo Sarney mostra influência no judiciário maranhense.
Pivô da Operação Lava Jato, o doleiro Alberto Youssef deve ter uma relação de amor e ódio com o Maranhão. No dia 17 de março de 2014, Yousseff foi preso no Hotel Luzeiros, em São Luís. A prisão do doleiro foi o marco inicial da maior investigação de crimes de corrupção e lavagem de dinheiro da história do país.
Pouco mais de três anos após a Lava Jato ter sido deflagrada na capital maranhense, o juiz Clésio Coelho Cunha, da 3ª Vara Criminal de São Luís, resolveu absolver Yousseff das acusações de lavagem de dinheiro e associação criminosa pelo suposto pagamento de R$ 3 milhões à empresa Constran-UTC Engenharia.
A absolvição de Alberto Yousseff foi destaque no site Revista Veja nesta segunda-feira (31). Clésio Coelho Cunha também inocentou o ex-secretário da Casa Civil do governo Roseana Sarney (PMDB), João Abreu, homem forte da oligarquia que chegou a ser preso em 2015 suspeito de ter recebido R$ 3 milhões em proprinas para garantir que a gestão Roseana pagaria um precatório de R$ 134 milhões à Constran-UTC.
Ironicamente, há 15 dias o mesmo juiz absolveu a ex-governadora Roseana das mesmas acusações.
Manobra?
A decisão de Clésio Coelho Cunha pela absolvição do doleiro soa estranha. Em depoimento prestado à Polícia Federal em novembro de 2014, o próprio Youssef revelou que pagou pessoalmente, no dia em que foi preso com uma mala cheia de dinheiro, propina de R$ 1,4 milhão destinada ao governo de Roseana Sarney.
Share:

Blog Archive

Blog Willian Redondo - WhatsApp - (98) 9966-8347

Blog Willian Redondo - WhatsApp - (98) 9966-8347
E-mail: willian.redondoombrods@gmail.com