Após reajuste determinado pelo governo Temer, Sarney tenta colocar culpa no governo do MA pelo aumento da gasolina

O que o jornal do clã Sarney não revelou é que, antes dos aumentos determinado por Temer, o Sistema de Levantamento de Preços da ANP apontava que o valor da gasolina na capital maranhense, São Luís, estava entre os sete menores do país.
Em todo o país, a gasolina teve na semana passada a maior alta desde que a Agência Nacional do Petróleo (ANP) passou a fazer o levantamento semanal de preços, em 2004. O grande vilão para o reajuste do preço foi o repasse do aumento dos impostos Pis/Cofins sobre combustíveis determinado pelo governo Michel Temer (PMDB). Apesar do aumento dos impostos federais terem sido amplamente repercutidos na imprensa nacional, a mídia maranhense ligada ao grupo Sarney tenta jogar a culpa no governo do Maranhão pelo aumento da gasolina nos postos maranhenses.

Na verdade, a elevação dos impostos foi a maneira mais impopular encontrada por Temer para tentar tapar o rombo no orçamento federal. Seguindo as orientações do oligarca José Sarney, seu principal conselheiro, Temer teria atuado para comprar votos de deputados contra a denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR), que o acusa de corrupção passiva com base nas delações da JBS.

O presidente liberou apenas no mês passado R$ 2,11 bilhões em emendas parlamentares e após a manobra não vem conseguindo equilibrar as contas púbicas. Quem efetivamente está pagando por esse rombo é o consumidor, que já sente no bolso o aumento no preço dos combustíveis.

Edição desta quarta-feira (2) do jornal O Estado do Maranhão, um dos principais veículos de comunicação da família Sarney, associou tendenciosamente em sua reportagem de capa a alta no preço dos combustíveis no Maranhão ao reajuste na alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) no Maranhão. A alteração foi proposta pelo governo do Maranhão no início do ano e aprovado pela Assembleia Legislativa do Maranhão (AL-MA). Na época, o aumento do ICMS foi contestado essencialmente por empresários ligados ao grupo Sarney no Maranhão. Com a medida, a gestão estadual sinalizou maior capacidade de investimentos, além da garantia de repasses aos municípios profundamente impactados pela crise e proteção aos cidadãos com menor capacidade contributiva.

O que o jornal do clã Sarney não revelou é que, antes dos aumentos determinado por Temer, o Sistema de Levantamento de Preços da ANP apontava que o valor da gasolina na capital maranhense, São Luís, estava entre os sete menores do país. Pesquisa semanal realizada pela agência entre os dias 18 e 24 de junho, revelou que a média cobrada no Maranhão foi de R$ 3,48. O preço estava abaixo da média nacional, que era de R$ 3,54.  

Já o último levantamento semanal divulgado pela ANP e realizado entre os dias 23 e 29 de julho, aponta que São Luís ainda apresenta uma média de preço da gasolina bem abaixo da média de outras capitais e até mesmo aquém da que era cobrada nacionalmente antes do reajuste.

Atualmente em São Luís o preço médio do litro de gasolina é de R$ 3,47, enquanto em Salvador o preço do combustível subiu para R$ 4,04, em Recife para R$ 3,65 e no Rio de Janeiro para R$ 4,12. Mas esses dados a mídia do grupo Sarney faz questão de ocultar.
Share:

Blog Archive

Blog Willian Redondo - WhatsApp - (98) 9966-8347

Blog Willian Redondo - WhatsApp - (98) 9966-8347
E-mail: willian.redondoombrods@gmail.com