Curso de informática

Curso de informática

Análise: João Alberto deve substituir Roberto Costa em Bacabal

Com a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de afastar definitivamente Zé Vieira (PP) do cargo de prefeito de Bacabal, o município que fica distante 195 km de São Luís, passará por novas eleições ainda este ano. A data do novo pleito ainda será divulgada, mas poderá ser realizada em setembro, segundo a previsão de fonte graúda da Justiça Eleitoral.
Assim como em 2016, a eleição suplementar será mais uma vez, um duro embate entre as forças comandadas pelo senador João Alberto (MDB), tendo como representante o deputado Roberto Costa (MDB), e os grupos hoje liderados pelo agora ex-prefeito Zé Vieira (PR), que inclui o deputado estadual Carlinhos Florêncio (PCdoB), que participa com o agora ex-vice-prefeito Florêncio Neto, e o ex-prefeito José Alberto, junto com o filho, suplente de deputado federal Alberto Filho (PP), entre outras, lideranças de menor peso.
Como tem a maioria, o grupo que perdeu o poder não terá nenhuma dificuldade para encontrar um nome que seja eleitoralmente forte e que tenha o aval dessas correntes políticas. De acordo com as informações, corre nos bastidores que o candidato poderá ser Florêncio Neto, Alberto Filho ou até mesmo Carlinhos Florêncio.
Se for mesmo confirmada para setembro – há quem diga que só acontecerá depois das eleições gerais de outubro -, a eleição em Bacabal se dará em meio à agitação das eleições gerais, o que tornará o pleito bem mais animado e tenso.
O problema da candidatura do deputado Roberto Costa esbarra em dois fatores: a data da eleição suplementar e sua alta rejeição hoje na cidade de Bacabal. O parlamentar se dedicou tanto à guerra judicial que teve desfecho terça-feira, no TSE, que esqueceu um pequeno detalhe: viabilizar novamente seu nome numa eventual disputa. A intensa dedicação fez Roberto virar as ‘Costas’ para o povo bacabalense e se afastou do município para ajustar seus planos e sua agenda para dedicar-se ao seu projeto de reeleição para a Assembleia Legislativa, que também não parece muito garantida, segundo muitos observadores da cena parlamentar.
Sabendo do grau de dificuldade que vai encontrar e sendo ciente da alta rejeição do afilhado politico em sua terra natal, o senador João Alberto encontra-se mergulhado em reflexões sobre o seu futuro político. Ao contrário do que havia programado quando decidiu não concorrer à reeleição, o ex-governador foi apanhado por um redemoinho político que ameaça a obrigá-lo a fazer exatamente o que ele não pretendia mais: disputar votos.
O senador viu-se, de repente, primeiro apontado como possível companheiro de chapa de Roseana Sarney como candidato a vice-governador, e depois, diante da reviravolta que se deu na eleição de Bacabal, passou a ser apontado como provável candidato a prefeito, cargo que ocupou eleito em 1988.
João Alberto tem dito à imprensa que não será candidato, mas sabendo que da união dos principais lideres políticos da cidade, faz questão de lembrar que é homem de partido e integrante de um grupo, situação que, num caso de “extrema”, pode desarquivar o seu projeto de aposentadoria para encarar as urnas mais uma vez. Essa é a realidade politica de Roberto e João Alberto em Bacabal. Imaginar fora disso, é apostar numa ilusão, como foi em 2016. Simples de entender, mas muito difícil para alguns compreender!

Leia mais notícias Blog Willian Redondo  e siga nossa página no Facebook  Envie fotos, denúncias e informações ao blog por WhatsApp pelo telefone (98) 9-9966-8347 – Pinheiro – Ma.